Tudo sobre a Bíblia

Tudo sobre a Bíblia: o que é, quem escreveu, sua história, como começar e qual versão ler

A Bíblia foi o primeiro livro impresso na história, além de ser, provavelmente, aquele que mais influenciou a humanidade.

Para muitos estudiosos a Bíblia é um fenômeno a ser estudado, um livro histórico com mitos, fatos e uma história que impacta o mundo há anos.

Para nós, cristãos, ela é um manual de fé e prática.

Quando decidimos por ter um relacionamento pessoal com Jesus Cristo, o principal meio para arraigar uma fé sólida é a leitura da Bíblia.  

Muitas das nossas descobertas pessoais sobre a fé cristã e personagens bíblicos acontecem quando mergulhamos pela história bíblica e nos dedicamos a aprender seus ensinamentos.

Mas você já se perguntou sobre a Bíblia? Já se perguntou por que a Bíblia é tão importante para os cristãos? 

Quem a escreveu? Como a Bíblia chegou nas nossas mãos hoje? 

Porque tantas versões e tipos de estudos temáticos? Qual a melhor? 

O que me faz decidir por uma Bíblia de estudo e não outra? 

Pensando nessas perguntas vamos percorrer esse universo que é a Bíblia, desvendar suas versões e delimitar qual melhor Bíblia Temática para cada necessidade. Vem com a gente 😀

O que é a Bíblia?

A Bíblia, para os cristãos protestantes, é autoridade de fé e de prática de vida. A palavra Bíblia significa “Livro” ou “Rolo”. Ela é na verdade um conjunto de 66 livros divididos em duas partes principais: Antigo e Novo Testamentos.

Ela também é chamada de “Escrituras”, “Escrituras Sagradas”, “Palavra de Deus” e a “Palavra”.

Segundo Daniel Doriani (autor e professor cristão): A Escritura é clara o bastante para que qualquer pessoa entenda os pontos essenciais da fé.” 

A Bíblia é mais que mera literatura, ela é a Palavra de Deus, por isso é tão importante.

Enquanto a palavra de Deus, entendemos que a Bíblia foi completamente inspirada por Deus em toda sua amplitude.

Dessa forma, acreditamos na inerrância das Escrituras, ou seja, não existem erros na Bíblia. Segundo Wayne Grudem (teólogo e autor cristão): “Por inerrância das Escrituras entende-se que as Escrituras nos manuscritos originais não afirmam nada contrário aos fatos.” 

O mesmo Grudem afirma ainda que:

Todas as palavras na Bíblia são palavras de Deus e que, portanto, não crer em alguma palavra das Escrituras ou não obedecer a ela é não crer em Deus ou desobedecer a ele. A Bíblia ensina claramente que Deus não pode mentir nem falar falsidade (II Sm 7.28; Tt 1.2; Hb 6.18). 

Assim, todas as palavras nas Escrituras são declaradas completamente verdadeiras e destituídas de erros, qualquer que seja o trecho (Nm 23.19; Sl 12.6; Sl 119.89 e 96; PV 30.5; Mt 24.35). 

As palavras de Deus são, de fato, o padrão máximo de verdade (Jo 17.17).”

(Retirado de As Bases da Fé Cristã).

Quanto mais somos expostos à Palavra, de coração aberto e buscando conhecer ao Senhor, apresentamos menos desvios éticos e morais. 

Porém precisamos entender que existe um distanciamento entre o entendimento do conteúdo e nós. Enquanto cristãos, é o Espírito Santo que nos auxilia na leitura bíblica, nos iluminando os ensinamentos propostos por Deus.

Ler a Bíblia dessa forma, é ouvir a voz do próprios Deus.

Quem escreveu a Bíblia

Ao nos debruçarmos sobre a leitura das Escrituras descobrimos cenários e personagens descritos por cerca de 40 autores diferentes, de épocas distintas, vindos de diversas culturas, cada um com a sua própria história de vida, mas, ao mesmo tempo, tão complementares.

Todos os autores, mesmo sem se conhecer e vivendo em épocas distantes, compuseram uma mesma história.

Podemos destacar alguns dos autores mais populares das Sagradas Escrituras, como:

  • Moisés — Autor do Pentateuco (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio)
  • Davi – Autor da maioria dos Salmos. Foi rei em Israel de 1003 a.C. à 970 a. C.
  • Salomão — Autor de Provérbios e Cantares, além de alguns Salmos. Alguns atribuem Eclesiastes a ele, mas o livro provavelmente teve outro autor baseando-se na vida e pensamentos de Salomão
  • Lucas — Autor do Evangelho segundo Lucas e do livro de Atos
  • João — Autor do Evangelho segundo João, do Apocalipse e de 3 cartas que compõem o novo testamento
  • Paulo — Autor de 13 cartas que totalizam grande parte do Novo Testamento. As principais são as cartas de Paulo aos Romanos e as duas cartas aos Coríntios

Apesar da variedade, cremos que todos os livros bíblicos foram escritos pelo próprio Espírito Santo, inspirando e conduzindo cada um dos autores.

Além da diversidade de autores, a Bíblia traz ainda outra peculiaridade quanto à data de seus escritos. 

A partir de estudos históricos e arqueológicos sabe-se que a Bíblia foi escrita dentro de um período aproximado de mil e seiscentos anos entre o primeiro escrito e o último. 

Em qual língua a Bíblia foi escrita?

Os textos originais foram escritos em três idiomas: hebraico e aramaico no Antigo Testamento e, grego no Novo Testamento. 

Foram registrados em papiros e rolos, forma bem diferente de como temos hoje.

Os autógrafos, textos originais, se perderam com o tempo. O que temos atualmente são cópias extremamente confiáveis feitas por copistas ao longo dos anos.

A história da Bíblia

A Bíblia é canônica, o que quer dizer que segue regras e critérios padronizados para a definição de todos os livros que pertencem a ela. 

Apesar da multiplicidade de autores e datas, ela é unificada, isto é, há continuidade entre a mensagem do Antigo e Novo Testamentos.

A Bíblia é uma única narrativa, contando uma única história. Se pudéssemos resumir a história contada nas Escrituras em poucas palavras, provavelmente diríamos que:

A Bíblia conta a história da glória de Deus e da redenção de uma humanidade caída por meio de Jesus Cristo. É a história da Missão de Deus de restaurar a criação que virou as costas para Ele. 

As Escrituras são divididas em dois grandes blocos de conteúdo:

Antigo Testamento

O Antigo Testamento, tal como lemos na Bíblia protestante, está estruturado com os mesmos livros que a ortodoxia hebraica usa. 

A divisão dos livros, porém, é um pouco diferente. 

A versão Católica também se diverge quanto à divisão, além de considerar alguns livros a mais no Antigo Testamento.

Vamos entender essas divisões:

A Bíblia Protestante

A Bíblia protestante segue a divisão conhecida pela maioria de nós:

Pentateuco: é a Torah judaica, os cinco primeiros livros do Antigo Testamento. Contam a história da criação, da aliança de Deus com Abraão, o êxodo do Egito e a conquista da Terra Prometida.

Estes 5 Livros também revelam a Lei de Deus.

Livros históricos: são os 12 livros que contam a história de Israel após a conquista da Terra Prometida.

Livros de Sabedoria: são livros de ensinos, louvores, meditações, poesias e provérbios, como Salmos, Provérbios e Eclesiastes.

Livros dos Profetas: Em sua maioria são exortações ao povo de Israel. Divididos entre profetas maiores (Isaías, Jeremias e outros) e profetas menores (Oséias, Obadias, Joel e outros) devido ao tamanho dos livros, não por ordem de relevância.

O Tanakh judaico

Os judeus reconhecem a Torah (a Lei de Moisés) que são os primeiros cinco livros da nossa Bíblia. 

O Nevi’im (os Profetas) no qual encontramos os escritos dos profetas anteriores e posteriores (dividido entre os profetas antes e depois do cativeiro da Babilônia). 

E o Ketuvim (os Escritos) que são os chamados livros históricos. 

A Bíblia Católica

A Bíblia Católica Romana possui alguns livros a mais, os chamados livros apócrifos. Contudo, esses não fazem parte da Bíblia Protestante por não ter seu valor reconhecido como os demais. 

Embora sejam livros com grande valor histórico, não são considerados como divinamente inspirados

Fontes dos Manuscritos

As três fontes de preservação para os textos do Antigo Testamento são: 

Esses textos atestam a confiabilidade da origem dos escritos. Principalmente pelo grande número de manuscritos recuperados e preservados.

Novo Testamento

O Novo Testamento foi escrito entre 50 e 95 d.C., marcado pela descrição da vida de Jesus e a organização doutrinária da Igreja. 

Paulo se destaca como o autor que mais escreve e cria uma sistematização teológica dos ensinos de Cristo. Isto porque ele tinha uma formação erudita e estudou com um dos principais rabinos do seu tempo, Gamaliel.

Tanto Protestantes, Católicos e Ortodoxos usam a mesma estrutura de livros do Novo Testamento, que foram estabelecidas por dois critérios: 

1. Regra de Fé, que trabalha a conformidade entre o documento e a Ortodoxia. O ensino precisa ser verdadeiro e conforme o que receberam dos apóstolos; 

2. Apostolicidade, o qual foi o critério mais comum. Incluir os textos dos apóstolos ou daqueles que andaram com os apóstolos.

Por todas as características singulares que existem na história da Bíblia, são proporcionados argumentos sólidos para a comprovação da sua autenticidade.

O número de manuscritos registrados, por exemplo, superam de forma categórica qualquer outro livro da antiguidade!

Fatos como esse se estabelecem comprovando que apenas Deus poderia zelar com tanto rigor para que este registro chegasse em nossas mãos.

Mas, e quanto às versões? Qual é a melhor? 

As versões da Bíblia

As versões da Bíblia dizem respeito às suas traduções. Cada versão é uma tentativa de maior proximidade com o texto original.

Os textos originais do Antigo Testamento foram escritos em línguas semíticas, em Hebraico (98%) e Aramaico (2%). Já o Novo Testamento foi escrito em Grego.

Uma das primeiras versões conhecida é Septuaginta que foi a tradução da Bíblia Hebraica (Antigo Testamento) para o Grego Koiné (o grego popular). 

E a Vulgata, que é a tradução da Bíblia para o Latim, por São Jerônimo. Foi a versão mais usada até o século XVI.

As versões são a tentativa de traduzir o texto bíblico o mais próximo do sentido original

A maior preocupação do tradutor é ter a certeza que os textos hebraico, aramaico e grego, usados como base para a tradução, estão o mais próximo do que foi escrito pela mão do autor (ou do escriba a quem o texto foi ditado).

Precisamos ter em mente que uma tradução é sempre uma interpretação e possui sua limitação técnica, por isso temos tantas versões. 

Para aqueles que querem estudar a Bíblia profundamente, a escolha de uma versão é significativa. 

As diferentes traduções levam em conta a língua fonte, língua alvo, distanciamento histórico e equivalência formal ou funcional.

A caraterística da versão nos ajuda a fazer uma exegese do texto, ou seja, um estudo da interpretação do conhecimento literário, histórico e cultural.

É importante entendermos a diferença entre os dois tipos de tradução:

Equivalência formal: traduz palavra por palavra

Equivalência dinâmica: traduz ideia por ideia

Ambos os métodos têm vantagens e desvantagens. Algumas versões da Bíblia tentam combinar os dois.

No Brasil, temos hoje várias versões. As principais são:

Almeida Revista e Corrigida – ARC

Ano: 1750

Última Revisão: 2011

Base textual

  • AT: Texto Massorético
  • NT: Textus Receptus, similar ao Texto-tipo bizantino

Método de Tradução: Equivalência Formal (em Linguagem Erudita)

Afiliação Religiosa: Protestante

Essa linguagem atualmente é pouco usual por apresentar termos muito eruditos e que já caíram no desuso. 

Apesar disso, foi largamente usada por ser a tradução mais antiga da língua portuguesa. Ainda é preferida por denominações conservadoras.

Almeida Revista e Atualizada – ARA

Ano: 1959

Última Revisão: 1993

Base textual

  • AT: Biblia Hebraica Stuttgartensia
  • NT: Novum Testamentum Graece, 26ª edição

Método de Tradução: Um equilíbrio entre equivalência formal e dinâmica.

Afiliação Religiosa: Protestante

Essa é a versão mais usada pelos protestantes. Foi a primeira versão trazendo mudanças significativas em verbetes que caíram em desuso e trouxe uma maior proximidade com a linguagem coloquial. 

É a linguagem usada por um grande número de bíblias de estudo, (como a Genebra, Sheed, MacArthur) o que a fez ainda mais popular. 

Almeida Edição Contemporânea – AEC

Ano: 1990

Base textual

  • AT: Originais do Hebraico
  • NT: Originais do Grego

Método de Tradução: Um equilíbrio entre equivalência formal e dinâmica

Afiliação Religiosa: Protestante

Almeida Corrigida e Fiel – ACF

Ano: 1994

Última Revisão: 2011

Base textual

  • AT: Texto Massorético
  • NT: Textus Receptus, similar ao Texto-tipo bizantino

Método de Tradução: Equivalência Formal (em Linguagem Erudita)

Afiliação Religiosa: Evangélica Conservadora

Almeida Século 21 – AXXI

Ano: 2008

Última Revisão: 2013

Base textual: Atualização da versão Bíblia Revisada de acordo com os melhores textos no Hebraico e no Grego

Método de Tradução: Um equilíbrio entre equivalência formal e dinâmica

Afiliação Religiosa: Protestante

Essa bíblia é uma revisão profunda da versão da Almeida Revisada. Mantém a exatidão, tradição e fluência. É a bíblia que uso no dia a dia.

Bíblia King James – BKJ

Ano: 1611

Última Revisão: 2017

Base textual

  • AT: Texto Massorético, com certas influências da Septuaginta e da Vulgata
  • Livros apócrifos: Septuaginta e Vulgata
  • NT: Textus Receptus, similar ao Texto-tipo bizantino; algumas leituras derivam da Vulgata 

Método de Tradução: Em português tem duas edições, sendo a primeira uma tradução literal e a segunda traduzida por equivalência verbal.

Afiliação Religiosa: Igreja Anglicana

É uma versão clássica. Foi originalmente escrita em inglês, a pedido do Rei Tiago (King James), quando a monarquia começou a seguir o anglicanismo. 

Caracterizada por sua árdua pesquisa e por apresentar diversas variações textuais e possíveis traduções para determinados trechos.

Pouca usada no português, por não ser uma versão popular.

Nova Versão Internacional – NVI

Ano: 1991

Última Revisão: 2001

Base textual

  • AT: Texto Massorético da Bíblia Hebraica, Manuscritos do Mar Morto, Pentateuco Samaritano, Áquila, Símaco e Teodócio, Vulgata, Peshitta, Targum, Juxta Hebraica para os Salmos de Jerônimo.
  • NT: Novum Testamentum Graece de Nestle-Aland

Método de Tradução: Equivalência Formal e Dinâmica

Afiliação Religiosa: Protestante

Essa é uma versão que não possui a erudição das versões mais antigas, porém mantém termos tradicionais. 

Muito usada por biblistas e pregadores.

Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH

Ano: 1988

Última Revisão: 2000

Base textual

  • AT: O texto com significado mais próximo aos textos originais — Hebraico, Aramaico
  • NT: O texto com significado mais próximo aos textos originais — Grego

Método de Tradução: Paráfrase — Funcional

Afiliação Religiosa: Protestante

Essa versão é recomendada para novos convertidos que ainda não têm muita familiaridade com a Bíblia. 

Usa uma linguagem fácil e acessível.

Bíblia A Mensagem – BM

Ano: 2011

Base textual

Autor: Eugene Peterson. É uma tradução contemporânea da Bíblia com base nas línguas originais que procura preservar, na linguagem do dia a dia, seus eventos e ideias.

Método de Tradução: Paráfrase

Afiliação Religiosa: Protestante

Essa é uma linguagem extremamente coloquial. Faz a tradução da ideia do texto, e não palavra por palavra. 

É uma versão interessante para estudo e exemplos, porém precisa ser usada com outra versão para o entendimento bíblico.

***

Qualquer versão passa pela interpretação de quem traduz, enquanto este é influenciado pelo tempo e cultura circundante. 

Por isso é interessante ter mais de uma versão para leitura complementar, a fim de se chegar mais próximo do texto original.

Além das versões tradicionais, existem outras Bíblias que nos ajudam bastante a compreender o texto — são as chamadas de Bíblias de Estudo.

Elas ajudam a compreender melhor o significado, o contexto e a profundidade de diversas passagens bíblicas.

Bíblias de Estudo: como escolher?

Uma Bíblia de Estudo, nada mais é que a elaboração crítica de um estudioso ou grupo de estudiosos que se propõem a escrever, interpretando o texto bíblico a partir do seu olhar ou sobre um determinado tema.

Normalmente uma Bíblia temática nasce da necessidade que um grupo, denominação ou indivíduos (teólogo(s) ou biblista(s)) em  responder a uma demanda eclesiástica.

Um teólogo Pentecostal, por exemplo, defenderá em determinadas passagens o Batismo com o Espírito Santo. 

Já uma Bíblia reformada, dará destaque e ênfase em passagens que destacam, por exemplo, os 5 Solas da Reforma Protestante.

É necessário então conhecer a chave hermenêutica que constrói a interpretação do texto bíblico! A chave é o pensamento principal que direciona a interpretação do texto bíblico.

Existem muitas Bíblias de Estudo, mas abaixo apresentamos as mais conhecidas:

Bíblia de Estudo de Genebra

A Bíblia de Genebra é uma excelente ferramenta para estudos mais aprofundados, indicada principalmente para quem deseja conhecer a linha de raciocínio presbiteriana/reformada. 

Ela apresenta o texto bíblico na tradução Almeida Revista e Atualizada (ARA), além de mais de 20 mil notas, escritas com intuito de deixar claro o sentido das passagens. 

Possui também 58 artigos teológicos e inicia cada livro da Bíblia com notas sobre Cristo e a relação com este livro. 

Bíblia de Estudo MacArthur

Foi concebida por John MacArthur, um influente teólogo norte americano. Ele é um estudioso do Novo Testamento, contudo se esmerou na escrita das notas de toda a Bíblia.

A chave hermenêutica são os “óculos de interpretação” do autor, é o que direciona a maneira de ler o texto bíblico. É importante entender essa chave para perceber o que esperar de cada Bíblia temática. 

MacArthur é cessacionista, e também uma das vozes mais proeminentes na Igreja contra as visões continuístas, advogadas pelos movimentos Carismáticos, Pentecostais e Neopentecostais. 

Uma opção muito interessante para conhecer o ponto de vista dos teólogos que acreditam que os Dons Espirituais (em especial, os miraculosos), cessaram.

Além dessa abordagem, MacArthur é um dos mais proeminentes teólogos da atualidade e os seus comentários são ricos, independentemente da sua visão teológica.

O texto bíblico na tradução Almeida Revista e Atualizada (ARA), possui mais de 21 mil notas de estudo explicativas que esclarece aspectos exegéticos e históricos de praticamente todos os versículos da Bíblia.

Bíblia de Estudo Shedd

Esta Bíblia de Estudo leva o nome de seu autor, Dr. Russell Shedd. Apesar de ser boliviano e ter estudado nos EUA, Dr. Shedd veio para o Brasil e se estabeleceu como missionário e pastor. 

Teologicamente, Russell Shedd era um batista e um forte defensor da pregação expositiva. 

Defendeu a autoridade suprema e inspirada da Bíblia, sendo esta a única revelação fidedigna de Deus, pelo que postulava que “a Bíblia é a palavra de Deus”.

Visão difundida na Reforma com o Sola Scriptura.

É amplamente reconhecido sendo considerado com um dos nomes mais nobres da teologia protestante atual.

Com seu texto na versão Almeida Revista e Atualizada, essa Bíblia vem com uma análise criteriosa e estudo de autoria de cada livro, esboços, cerca de 10 mil notas explicativas, diversas referências, concordância e mapas coloridos.

Bíblia de Estudo Palavra Chave

A Bíblia de Estudo Palavras-Chaves Hebraico e Grego é resultado de anos de estudo nas línguas originais. 

Trata-se de uma Bíblia que proporciona visão apurada dos idiomas hebraico, aramaico e grego, as línguas utilizadas nos manuscritos originais. 

O texto identifica as palavras-chaves das línguas originais e proporciona uma explicação clara e precisa dos seus significados e usos.

O seu texto na versão Almeida Revista e Corrigida, oferece as mais variadas ferramentas exegéticas, léxicas e gramaticais como o Dicionário Hebraico e Grego de James Strong, a fim de que o leitor possa interpretar corretamente o texto bíblico.

Bíblia Missionária de Estudo

Elaborada por um grupo de pessoas ligadas a Missiologia, essa Bíblia entende que a Missão é intrínseca à Bíblia como um todo. Isto é, a Bíblia foi escrita com um propósito missionário e tem como conteúdo central a missão de Deus para a sua criação, do início ao fim.  

Essa Bíblia tem como estrutura o estudo da Teologia Bíblica da Missão. É um projeto Brasileiro. 

É marcada por diversos diferenciais: cerca de 7.500 notas que comentam o texto bíblico, contém a reconceituação dos mapas bíblicos a partir da ótica missionária e cerca de 100 reflexões missionárias temáticas distribuídas estrategicamente ao longo do texto, que usa a versão Almeida Revista e Atualizada. 

Bíblia de Estudo da Reforma

A Bíblia de Estudo da Reforma surgiu com o desafio de trabalhar uma série de estudos fundamentados na Reforma Protestante. 

Esta Bíblia apresenta um rico e vasto material como notas, artigos e orações com base em cada livro das Escrituras Sagradas. 

Todos os livros da Bíblia trazem uma introdução sobre o pensamento de Martinho Lutero, bem como um amplo esboço com detalhes históricos e artigos. 

O texto bíblico na versão Almeida Revista e Atualizada (ARA), apresenta mais de 40 mil notas de rodapé.

Possui 2 mil notas de aplicação de lei e evangelho. Apresenta referências internas, nas quais as notas de estudo muitas vezes remetem o leitor a outros recursos desta Bíblia, como introduções, artigos, gráficos, mapas e outras notas. 

A melhor Bíblia de Estudos para você 

Ao avaliarmos as peculiaridades de cada Bíblia de Estudo, percebemos que cada estudo é direcionado para um fim, é mediada por um assunto e chave hermenêutica de quem se propõem a registrar os estudos.

Precisamos ser ponderados ao definirmos os critérios que irão basear nossa escolha por qual Bíblia Temática adquirir. 

Não podemos falar de Bíblia melhor ou pior, uma vez que o texto bíblico é sempre basilar e o fundante do estudo. 

Contudo, podemos ler este texto por lentes diferentes e, não necessariamente erradas ou piores.

Se você, assim como eu, é um apaixonado pela Bíblia, te desafio a ler a cada ano em uma Bíblia Temática diferente. Isso irá enriquecer seu conhecimento e sua fé tremendamente!

Contudo, volto a dizer, para uma fé sólida e coerente, e um relacionamento íntimo com Deus, a leitura da Bíblia é imprescindível

A Bíblia é a Palavra de Deus. E de acordo com o Apóstolo Paulo: “E, assim, a fé vem pelo ouvir, e o ouvir, a palavra de Deus.”(Rm 10:17) 

Desejo a você uma boa escolha e boa leitura!

Bárbara Brant é missionária e fundadora do Projeto Conquistando a Terra, que foca em levar as boas novas para cidades com menos de 5% da população evangélica.

* Não deixe de seguir o Luzeiro no Instagram.

Gostou do texto ? Compartilhe com seus amigos e familiares!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

2 thoughts on “Tudo sobre a Bíblia: o que é, quem escreveu, sua história, como começar e qual versão ler

  1. Muito bom Bárbara, parabéns.
    Espero que as pessoas que receberem tenham fome e leiam. Eu tenho agradecido ao Senhor por ter colocado em minhas mãos tão bom alimento.

  2. Que texto!!! Mostrou com maestria como a Bíblia é um livro fantastico e como podemos mergulhar mais nela e sermos alimentados por bons estudos e interpretações coerentes e contextualizadas que conversam com nossas necessidades e vivências!!!!

Gostou do post? Compartilhe com a gente a sua opinião!

LUZEIRO-logo

Rua Jornalista Djalma Andrade, 1350
Belvedere, Belo Horizonte – MG
30320-540
www.crerepensar.com.br

Rua Jornalista Djalma Andrade, 1350
Belvedere, Belo Horizonte – MG
30320-540
www.cczs.org.br